quarta-feira, 14 de junho de 2017

Vingança não é justiça

Muito se falou, nestes dias, sobre o caso do meliante que teve a testa tatuada quando foi flagrado praticando um furto. Mas até onde a chamada justiça com as próprias mãos é realmente justiça?
O caso do rapaz que estava cometendo um roubo na residência de um tatuador que flagrou o meliante e tatuou a frase: "sou ladrão e sou vacilão", teve uma grande repercussão com opiniões variadas de todos os lados. Os que são a favor, os que são contra,os que se divertiram e os que ficaram tristes. Um caso típico daquilo que chamamos de justiça feita com as próprias mãos, mas que, se melhor analisado não se trata de justiça e sim de vingança. Mas para entendermos melhor temos que ir por partes.

Primeiro devemos entender a reação da vítima, ao se deparar com a sua propriedade invadida pelo menor infrator. A ação consumada na forma de castigo, não é justificada e mais para frente vamos entender porque. Mas a reação encontra uma justificativa, justamente na falta de perspectiva de solução por parte do Estado. Quando vivemos em um país onde o contribuinte não vê o retorno do seu esforço, ou seja, não tem a segurança, a educação, a saúde e o direito de defesa da propriedade que os seus impostos deveriam proporcionar, há uma tendência de que, a cada dia, mais reações desta natureza ocorram. O abandono do Estado cria cidadãos lançados a própria sorte que reagem e se defendem como podem e como pensam que devem.

Do outro lado temos um sistema penal que não estabelece justiça, pois, na maioria das vezes, não ressarce a vítima e nem recupera o individuo que praticou o ilícito, ou seja: temos crimes não resolvidos e criminosos que não são inibidos de suas práticas. O que gera insegurança para os chamados, cidadãos de bem e impunidade para os meliantes. Some-se a isso todo um cabedal de absurdos jurídicos e aberrações políticas que criam uma eterna sensação de abandono.

Quanto ao ato praticado, de tatuar a testa do rapaz, temos aí um sério problema pois, apesar de o jovem ter feito uma ação invasiva ao território da vítima objetivando subtrair seus bens materiais, em momento algum, da ação, o fora-da-lei cometeu qualquer ato de violação da integridade física da vítima, mas ao ser tatuado o agressor passa a, também, ocupar o lugar de vítima, ao ter a sua integridade física (seu corpo) violado pela vítima que agora se torna agressor em uma instância diferente da anterior.

Existe ainda, uma outra questão, ligada a semântica, que não se tem discutido no ato praticado pela vítima. Ao tatuar a frase "Sou ladrão e sou vacilão" na testa do garoto, fica implícito que o problema não está na atitude de roubar e sim na de vacilar, ou seja: é o mesmo que dizer: "pode roubar, mas não pode vacilar". Aquilo que poderia ser chamado de justiça, mas não é, pois não foi movida pela razão e sim pela emoção e, portanto, é vingança acaba passando uma imagem que não inibe o crime mas orienta para que, da próxima vez, o ato criminoso seja praticado com cuidado para não deixar pistas.

Infelizmente esta não é a primeira e nem será a última reação deste gênero. Muitas e piores virão por aí. Me desculpem o pessimismo, mas está cada vez mais difícil de acreditar em uma mudança para melhor.

E você, o que pensa? Qual a sua opinião?

quarta-feira, 7 de junho de 2017

Modos & Estilos #019 - Rita Lee & Tutti Frutti - Fruto Proibido


Considerada a rainha do Rock nacional, Rita Lee tem uma carreira eclética passando por vários estilos e bons trabalhos, mas nada comparável a esta obra prima.
Rita Lee Jones Carvalho nasceu em São Paulo em 31 de dezembro de 1947. Começou a tocar bateria aos 15 anos. Entre 1966 e 1972 Rita Lee fez parte da maior banda brasileira de todos os tempos, os Mutantes, de quem foi co-fundadora junto com os irmãos Arnaldo e Sérgio Dias. A Relação com Os Mutantes a levou a contrair matrimônio com Arnaldo Dias. Ainda com Os Mutantes gravou dois discos solo: Build Up em 1970 e Hoje é o Primeiro Dia do Resto da Sua Vida de 1972 que, na verdade trata-se de um disco dos Mutantes mas que foi lançado como solo de Rita por questões contratuais da gravadora. Com o fim de seu casamento com Arnaldo veio o fim do seu relacionamento com a banda.

Com a amiga Lucia Turnbull forma a dupla Cilibrinas do Éden que acaba sendo o embrião da banda Tutti Frutti que conta ainda com Luis Sérgio Carlini e Lee Marcucci, entre outros. A Parceria com a nova banda dura de 1973 até 1978 e o saldo são quatro álbuns a saber: Atrás do Porto Tem Uma Cidade de 1974, Fruto Proibido de 1975, Entradas e Bandeiras de 1976 e Babilônia de 1978. Destes, o álbum Fruto Proibido é considerado até hoje, uma obra prima do rock nacional e nós vamos saber porque, nesta postagem.

O Álbum

Fruto Proibido levou meses para ser composto em um trabalho conjunto da banda. Foi gravado no estúdio Eldorado, em São Paulo, em abril de 1975 e lançado em junho do mesmo ano. O álbum trás uma mistura de rock, pop, blues e hard rock colocados de maneira bem equilibrada e feito com muito profissionalismo que resultou em grandes sucessos. Produzido por Andy Mills e financiado e colocado no mercado pelo selo Som Livre, vendeu, na época, algo em torno de duzentas mil cópias, um marco para um disco de rock no Brasil. Participaram deste trabalho:
  • Rita Lee: voz, violão e sintetizador.
  • Luis Sérgio Carlini: guitarras, slide, violão, gaita e vocal.
  • Lee Marcucci: baixo e cowbell.
  • Franklin Paolillo: bateria e percussão.
  • Guilherme Bueno: piano e clavinete.
  • Rubens Nardo: vocais.
  • Gilberto Nardo: vocais.
  • Participação Especial de Manito: Sax em "Esse Tal de Roque Enrow", Flauta em "Pirataria" e Órgão Hammond em "O Toque".

As Músicas

Lado A

  1. "Dançar pra não Dançar" (Rita Lee) - Rock'n Roll básico com pegada firme com letra bem construída com um certo ar de psicodelia. O piano da entrada muito bem colocado. Backings na hora certa e a mudança  da segunda que dá espaço para a guitarra magnifica de Carlini, econômica mas no momento certo.
  2. "Agora Só Falta Você" (Luis Sérgio Carlini / Rita Lee) - Boa pegada com trabalho de guitarras, fala de atitude e mudança de vida, busca da liberdade e coisas do gênero. Bateria bem trabalhada.
  3. "Cartão Postal" (Paulo Coelho / Rita Lee) - Blues com todos os trejeitos do estilo. Blues em português é algo difícil de fazer mas a parceria com Paulo Coelho faz bonito. Baixo preciso dando todo o clima da canção. A guitarra limpa e comedida funciona como a cereja do bolo.
  4. "Fruto Proibido" (Rita Lee) - Rhythm and blues tradicional com harmônica e tudo. O Vocal de rita está bem jovial e entra bem no clima da canção que fala sobre as buscas por ultrapassar as fronteiras estabelecidas.
  5. "Esse Tal de Roque Enrow" (Paulo Coelho / Rita Lee) - Sucesso absoluto faz uma sátira de uma mãe conversando com seu psicanalista sobre a sua filha. Uma música que trata, de maneira bem humorada, sobre os conflitos de gerações. Mais uma vez a parceria com Paulo Coelho e até uma referência sutil a Raul Seixas. Sax mandando ver. A Guitarra está mais bem elaborada também.

Lado B

  1. "O Toque" (Paulo Coelho / Rita Lee) - Outra em parceria com Paulo Coelho com uma pegada mais psicodélica. Mais uma vez o baixo faz a diferença na base junto com um ótimo trabalho nos tambores. A segunda parte passa para um clima bem pinkfloydiano.
  2. "Pirataria" (Lee Marcucci / Rita Lee) - Glam bem construído com um leve funkeado. Na minha opinião é a mais fraca do álbum. Mas é uma boa canção.
  3. "Luz del Fuego" (Rita Lee)  - Excelente canção de empoderamento com uma abertura muito bem feita de guitarra e bateria. Vocais e arranjos muito bem colocados. Realmente uma excelente peça musical. 
  4. "Ovelha Negra" (Rita Lee) - O que falar desta canção. Trata-se de um hino de uma geração que é cantada até hoje, já recebeu várias versões. Uma balada rock que encanta logo a primeira audição. Tudo nesta música é perfeito. Letra, arranjos, instrumental e o solo magistral de Luiz Sérgio Carlini, talvez um dos mais belos do rock nacional. Encerra o álbum de maneira impecável.

Conclusão

Fruto Proibido é um disco obrigatório para quem gosta de boa música. Rita Lee está na sua melhor performance e embora seu disco seguinte, Entradas e Bandeiras, seja mais homogêneo, é mais Tutti Frutti do que Rita Lee e Fruto Proibido é mais Rita. É um daqueles discos que ficam para sempre em nossas lembranças. Perfeito.


sexta-feira, 2 de junho de 2017

Underground Cristão #001 - Mortification - Primitive Rhythm Machine

Quando eu me converti ao Evangelho de Jesus Cristo uma das coisas que não me agradou muito foi a qualidade da produção musical, mas esta má impressão inicial foi quebrada ao escutar este álbum. Foi como uma luz no fim do túnel.
A banda australiana Mortification, começou, oficialmente, em 1990, mas a sua formação se inicia em 1984 quando o baixista e vocalista Steve Rowe monta as bandas Rugged Cross (1984) e  Axiz (1985). Apesar da vida curta destas bandas, elas foram estímulo para que Steve não desistisse de seu projeto de banda. Em 1986 nascia a banda LightForce que grava seu primeiro álbum, Battlezone, em 1987 e o Mystical Thieves em 1988. Já em 1989 quando se preparavam para o terceiro trabalho, Steve assume a direção da banda que passa a se chamar Mortification.

Com Steve Rowe (baixo e vocal), Cameron Hall (guitarra) e Jayson Sherlok (bateria) a nova banda lança o álbum Break The Curse, ainda com o nome de LightForce. Este álbum foi remixado e relançado como Mortification, em 1994, com uma faixa bônus. Oficialmente o primeiro trabalho é: Motification, de 1991, com Michael Carlisle na guitarra.

A banda passou por diversas formações e tendências e atualmente o time é composto por Steve, o guitarrista Lincon Bowen e o baterista Andrew Esnouf. O álbum Primitive Rhythm Machine foi lançado em 1995 e é sobre ele que iremos falar nesta postagem.

Lançado em 1995 pelo selo Intense Records e Nuclear Blast no formato CD e remasterizado e relançado em 2008 pela Metal Mind Productions, produzido por Steve Rowe conta co o próprio Steve (baixo e vocal), George Ochoa (guitarras e teclados), Bill Rice (bateria), Jason Campbell (guitarra base) e Dave Kellogg (guitarra solo).

O álbum tem uma pegada excelente e em certos momentos lembra o Sepultura, dos bons tempos, mas sem perder a identidade característica do Mortification. Trata-se de um trabalho mais experimental, com vocal mais limpo e que mostra uma boa evolução musical da banda que deixa o death, um pouco de lado, e soa mais metal.

Vale a pena conferir.


.Ouvir no Spotfy...

sábado, 27 de maio de 2017

O Cristianismo que Sofre

Embora o ato de ser cristão signifique ser incompreendido, muitas vezes a incompreensão é fruto dos nossos erros.
Que existe uma cruzada contra o cristianismo em todo o planeta, não resta nenhuma dúvida. A cada dia que passa vemos os valores da mensagem da cruz sendo postos de lado, não apenas no comportamento das pessoas, de uma maneira geral, mas também de forma institucional. Se isso não bastasse, a cada dia, ser cristão é visto como algo retrógrado e tipico de pessoas sem cultura. Mas de onde vem isto?

Como cristão, que sou, creio que existe um mundo espiritual dividido entre o bem e o mal e que há uma batalha acontecendo e que estes mundos influenciam pessoas a seguirem os preceitos de um ou de outro. Mas também entendo que a nossa percepção do Evangelho de Jesus Cristo é muito equivocada e termina por alimentar estas divisões de classes.

Me parece que nós, os crentes em Cristo, não compreendemos qual seja verdadeira mensagem do Homem de Nazaré. Nossos sonhos egoístas, nossos projetos pessoais, nossas conquistas nos levam a crer em um Deus que nos quer sempre acima de tudo e todos. Esta crença equivocada nos tem transformado e pessoas presunçosas e arrogantes e, consequentemente, detestáveis.

O viver cristão, não é, como muitos pensam, uma coleção de conquistas mas sim um acúmulo de renuncias em favor do próximo. Bradamos que Deus é Amor, mas esquecemos de demonstrar o amor de Deus, em nossas vidas, por aqueles que carecem e não conhecem este amor. Isto é o viver cristão: renunciar a nós mesmos e dedicar-se aos próximos de nós que são justamente aqueles que se encontram ao alcance de nossas atitudes e ações.

Precisamos mudar, não em defesa do Deus Todo Poderoso, pois ele não precisa disso, mas em defesa da fé que anunciamos, pois é mais fácil e prático demonstrar nossa fé com atitudes do que com palavras lançadas ao vento. Que Deus tenha misericórdia de nós!

quarta-feira, 17 de maio de 2017

O Underground Cristão Vai Bem, Obrigado!

Enquanto no Mainstream cristão nacional quase não se aproveita nada a cena underground despeja toneladas de bandas para todos os gostos
Quando eu e Eduardo Teixeira, do Cristo Suburbano, fazíamos o Podcast do Esconderijo, em um determinado episódio ele me perguntou a diferença entre mainstream e underground e eu respondi que o mainstream é produto e underground é arte. Minha opinião sobre o assunto continua exatamente a mesma. E dentro do universo da música cristã é exatamente a mesma coisa. Isto acontece porque existe uma indústria musical que como todo e qualquer negócio, visa lucro. Esta busca pela viabilização e comercialização do produto acaba, muitas vezes, levando os profissionais do ramo a criação de produtos que possam ser facilmente aceitos, consumidos e descartados para que a próxima fornada não se perca. Neste processo, normalmente, a qualidade artística, poética e teológica fica em segundo plano. Enquanto isso, na cena underground, a certeza do baixo retorno financeiro acaba proporcionando aos criadores mais liberdade artística, mais comprometimento com a qualidade e uma maior preocupação com o conteúdo das mensagens.

Evidente que em ambos os lados existem exceções. Do lado mainstream, temos bons artistas produzindo boa música de excelente qualidade técnica e poética e com conteúdo teológico relevante, como é o caso da banda Resgate, assim como no meio underground também existe coisa que não se aproveita, mas no geral a regra permanece. E quando eu me refiro ao underground não estou me referindo apenas a galera do rock. Eu me refiro a todos os que estão produzindo arte, mas que correm por fora da grande mídia. Hoje é possível garimpar música cristã em todos os estilos que você possa imaginar e tem coisas realmente sensacionais.

Este artigo não tem por objetivo enumerar artistas mas servir de incentivo para que você comece a procurar conteúdo fora dos umbrais da mídia tradicional. Não vou apontar artistas específicos pois estaria apenas indicando aquilo que eu curto e que pode ser diferente do que você está buscando.

Onde Procurar

Uma boa pedida para quem curte um som mais voltado para o punk hardcore são os canais do Cristo Suburbano, mantidos pelo Eduardo Teixeira, da manda No More Zombies, vou dar o endereço do blog e de lá você encontra os outros canais. Tem também o Metal Cross onde você pode assistir clipes de várias bandas cristãs que fazem um som da hora. Tem o canal da Gabi Rox onde existem várias dicas de bandas nacionais e internacionais do underground cristão. Outra cena bastante forte é a do RAP cristão. Vou indicar dois; o blog Hip-Hop Gospel e o site Portal Rap onde você vai encontrar bastante informação sobre o assunto. Estes são alguns canais mas existe muito mais. E se você conhece algum bem legal, coloque o link ai nos comentários para gente divulgar. Grande abraço.

Links:

quinta-feira, 11 de maio de 2017

O ideal e o real na rede social

As postagens revelam a verdadeira face por trás das fotos tratadas do Facebook 
Cada perfil na maior rede social do nosso mundinho revela dois tipos de pessoa. Uma é a da foto da página pessoal e dos álbuns de fotos e a outra é a das postagens e curtidas. Se fossemos traçar um perfil dos usuários da rede, baseados nas imagens, chegaríamos á uma rápida e equivocada conclusão de que todo mundo é bonito, rico e come bem. Lógico que estou me referindo a nossa brava gente brasileira. Mas se formos traçar este mesmo perfil baseados em postagens, curtidas e compartilhamentos, chegamos a conclusão de que a maioria destes mesmos usuários, não tem valores bem definidos, são preconceituosos e extremamente egoístas, só pra começar.

As redes sociais, desde os tempos do finado Orkut, vem promovendo uma maior interação entre os seres humanos. Pessoas que não se viam e não se falavam há anos se redescobrem por elas. Mas por trás destes fenômenos benéficos existe uma dura realidade imposta pelo establishment, que leva há uma espécie de ostentação digital. Fotos tratadas, corpos perfeitos, lugares maravilhosos, comidas exóticas e festas, muitas festas. Sabemos que a maioria esmagadora dos mortais, como eu e você, não vive um mundo de glamour e holofotes. As dificuldades da vida diária, estão aí e atingem todos sem qualquer traço de preconceito. Então o que está acontecendo?

A Ditadura da fama, beleza e inclusão, transformou  muita gente em refém do sistema. As pessoas tem uma necessidade absurda de: serem aceitas, elogiadas, comentadas e de passar uma imagem de vencedores, sempre. Eu vejo este tipo de comportamento como uma espécie de falta de perspectiva e de projeto de vida. Converso com muitos jovens e sempre escuto a mesma coisa: "Quero ter grana, muita grana!". Esta redução de valores confinada a uma imagem, roupas de marca e lugares da moda, revela uma alma solitária que encontra no ego(ismo) a única saída. Mas por trás da maquiagem e dos cenários hollywoodianos, existe um ser humano com medos, desejos e pensamentos próprios. Mas como descobrir o SER por trás do PARECER? É aí que entra o conteúdo.

Por exemplo: estava vendo o perfil de alguém que conheço a realidade, para fazer uma comparação. A primeira vista parece ser uma pessoa altamente religiosa, muito bem sucedida, intelectual e que gasta seu muito tempo e dinheiro ajudando os desfavorecidos e pregando o evangelho, mas se continuarmos olhando começamos a perceber que a realidade da pessoa não é tudo aquilo e que na verdade é uma pessoa fútil, inconstante e acostumada a viver as custas dos outros. Num outro perfil, a pessoa parece um modelo que só frequenta lugares top. Mas aos pucos o que se vê é alguém vulgar, com pouquíssima bagagem cultural e com valores mal definidos ainda que queira dizer que é cristã.

São muitos exemplos e não vou ficar aqui relatando um por um, mas o que tenho visto é algo do tipo: Posta uma mensagem sobre o amor de Deus e curte o linchamento de alguém que cometeu um crime. Tira foto com livro na mão mas sequer sabe escrever decentemente. Coisas deste tipo! É uma geração que sente muita dificuldade em se posicionar e por isso vai sempre com a massa, para não parecer uma carta fora do baralho. Finge ser o que não é e ter o que não possui. É como se fosse uma prisão sem grades e sem correntes visíveis. Pense nisso!

Não sou psicólogo, mas mesmo sem um conhecimento profundo sobre a psique do ser humano é fácil identificar estas anomalias. Poderíamos ir além, analisando os grupos que a pessoa participa, as páginas que acompanha, mas vou ficar por aqui. Grande abraço!

domingo, 7 de maio de 2017

Desejamos ir lá, só que não

Existe uma canção na Harpa Cristã que a letra fala: Desejamos ir lá... Mas será que realmente desejamos?
Na carta do apóstolo Paulo aos Filipenses, no capítulo 1, versículos 23 e 24 ele diz: "Estou pressionado dos dois lados: desejo partir e estar com Cristo, o que é muito melhor; contudo, é mais necessário, por causa de vocês, que eu permaneça no corpo". Paulo sentia um profundo desejo de partir logo desta vida para estar com Cristo por toda a eternidade. No entanto, por amor das almas ele desejava continuar aqui para seguir fazendo a obra do Senhor. Mas e nós? O que nos impede de partir desta vida? Que desejos nos impulsionam a desejar continuar neste mundo?

Outro dia, eu conversava com uma pessoa sobre o Reino de Deus e ela me falou que ainda é muito jovem para morrer e que precisava aproveitar a vida. E percebo na maioria das pessoas um desejo muito forte pelos prazeres que o mundo oferece. Uns querem construir suas carreiras profissionais, outros querem possuir bens materiais, outros querem fama e fortuna, outros só a fama e há até aqueles que não querem nada disso mas almejam um mundo melhor, mais justo. Mas em todos estes casos sempre existe um desejo de permanecer aqui. É aquela velha máxima: todo mundo quer ir pro céu, mas ninguém quer morrer. Mas não há outra maneira de ir pro céu!

A Bíblia Sagrada não diz muita coisa sobre como é o céu mas deixa bem claro o que ele não é. De acordo com as Sagradas Escrituras, lá não existe tristeza, doenças, inveja, despesas, e nem toda sorte de males e empecilhos que são comuns neste nosso mundo. Mas mesmo sabendo que lá é um lugar melhor (muito melhor) do que este, não queremos partir desta vida. Não estou me referindo àqueles que não creem em Deus, pelo contrário, me refiro aos que professam a fé cristã e que propagam que o céu é um lugar melhor. Só existem dois motivos para um crente em Jesus não desejar partir: ou é por conta de um profundo amor pelo próximo ou apenas um desejo egoísta de quem ainda não compreendeu, verdadeiramente, quem é Deus e a importância do sacrifício feito por Jesus, na cruz do calvário.

Se aquilo que nos move em direção a este mundo é apenas o desejo de realizarmos nossos projetos pessoais e materiais, então devemos rever a nossa fé pois estamos sendo motivados erroneamente. Pense nisso!

terça-feira, 2 de maio de 2017

Modos & Estilos #018 - Secos & Molhados - Secos & Molhados II

Um álbum a frente de seu tempo e que ainda soa surpreendente!
A banda Secos & Molhados criada, em 1970, pelo cantor e compositor português, radicado no Brasil, João Ricardo, teve muitas formações. Mas nos anos de 1973 e 1974 o grupo teve a formação considerada clássica composta pelo próprio João Ricardo (vocais, violão e harmônica), Gérson Conrad (vocais e violão) e Ney Matogrosso (vocais).  Com este time gravaram os dois primeiros álbuns da banda que são verdadeiras obras primas da música brasileira: Secos & Molhados I (1973) e Secos & Molhados II (1974).

O impacto causado pela banda foi arrebatador. Numa época difícil para o país, os Secos & Molhados ousaram em tudo. Na musicalidade inovadora, nas letras, no visual extravagante, na mistura de sons e ritmos com elementos do rock, jazz, progressivo, folclore português, MPB e muito mais. Apesar do tempo, o trabalho realizado a esta época,continua atual e ainda surpreende os ouvidos mais atentos.

Mesmo não tendo obtido o mesmo sucesso e volume de vendas do primeiro disco, Secos & Molhados II é, na minha opinião, não apenas o melhor trabalho do grupo, mas um dos melhores álbuns produzidos no Brasil e pode facilmente figurar entre as grandes coleções da música mundial. Mas nem tudo são flores, o álbum originalmente foi prensado em vinil não virgem o que prejudica um pouco a qualidade sonora e merece uma remasterização. No entanto este detalhe não o deixa menor e menos importante. A capa simples, minimalista e intrigante já dá uma mostra do seu conteúdo.

Menos rock que seu antecessor, as músicas do disco passeiam por vários estilos e criam um clima de delírio e introspecção com arranjos muito bem construídos e uma performance vocal primorosa de Ney Matogrosso. Nas letras temos um desfile de autores como:  Julio Cortázar, João Apolinário, Fernando Pessoa e Oswald de Andrade além do próprio João Ricardo, Paulinho Mendonça e uma parceria com a cantora, compositora e multi-instrumentista brasileira, Luhli, na faixa Toada & Rock & Mambo & Tango & Etc.

Além do Trio, participam deste álbum os músicos: Norival D'Angelo (bateria, timbales e percussão), Sérgio Rosadas (flauta transversal e flauta de bambu), John Flavin (guitarra elétrica e violão de 12 cordas), Willi Verdaguer (contrabaixo elétrico), Emilio Carrera (piano, órgão e acordeão), Triana Romero (castanholas) e Jorge Omar (violões e viola). Destaque para o baixista Willi que dá um show de técnica e musicalidade. Mas vamos às músicas:

01 - Tercer Mundo (João Ricardo/Julio Cortázar) - Música no estilo flamenco, com castanhola e tudo. Num clima bem revolucionárioe um belíssomo de trabalho de violões.
02 - Flores Astrais (João Ricardo/João Apolinário) - Foi o hit deste álbum, tocado e retocado em tudo que é lugar. Clima psicodélioco, meio prog, meio pop. Excelente.
03 - Não: Não Digas Nada (João Ricardo/Fernando Pessoa) - Mais uma acústica. Num belíssimo arranjo sobre um poema de Fernando Pessoa. 
04 - Medo Mulato (João Ricardo/Paulinho Mendonça) - Num clima de suspense  a letra fala dos medos que rondam as mentes alimentadas pelas histórias de fantasmas. Tem um clima meio circense e um arranjo de flauta muito bom.
05 - Oh! Mulher Infiel (João Ricardo) - O Violão passeando em um acorde trás a melodia que denota intimidade. É o próprio João Ricardo que canta. Dá a sensação de uma pausa.
06 - Voo (João Ricardo/João Apolinário) - Com um baixo magistral a música tem uma levada meio prog que passa bem a sensação de algo voando. Rock de primeira meio folk sobre o poema de João Apolinário.
07 - Angústia (João Ricardo/João Apolinário) - Mais uma que o baixo de Willi simplesmente arrasa. Rock setentista com uma intervenção de guitarra com sonoridade bem psicodélica.
08 - O Hierofante (João Ricardo/Oswald de Andrade) - Rock de alta qualidade sobre um texto de Oswald de Andrade deixando claro que, se Ney era a voz da banda, João Ricardo era o cérebro.
09 - Caixinha de Música do João - (João Ricardo) - Faixa curta e melancólica que funciona como uma transposição para a a última parte do álbum.
10 - O Doce e o Amargo (João Ricardo/P. Mendonça) - Mais um trabalho de cordas bem cunstruido que nos levam a refletir.
11 - Preto Velho (João Ricardo) - Tema contemplativo com uma flauta lindíssima e o vocal de João ricardo num poema introspectivo que olha direto para a alma.
12 - Delírio (Gérson Conrad/P. Mendonça) - Blues arrasa quarteirão de arrepiar. Sempre falo como é difícil fazer blues em portugues, tem que ter muito talento e os caras esbanjam.
13 - Toada & Rock & Mambo & Tango & Etc (João Ricardo/Luhli) - Rock Psicodélico com todas as nuances do estilo, com um vocal sussurrado mostrando o quanto os caras poderiam ter produzido juntos.

Conclusão

Secos & Molhados II é um disco formidável que não pode faltar em nenhuma coleção. Uma obra musical a frente de seu tempo. O talento musical de João Ricardo está a flor da pele, a voz de Ney está impecável. Enfim, uma produção nacional que nos dá orgulho de ser brasileiro.


quinta-feira, 27 de abril de 2017

Saia do templo e seja cristão!

Não vá dizer que eu estou dizendo para você abandonar a denominação que costuma frequentar. Leia a postagem para entender.
Antes que alguém venha me acusar de estar incitando as pessoas a deixarem da igreja quero deixar claro que entendo ser altamente necessário que o cristão faça parte de um grupo, de uma denominação, onde possa se reunir com outros indivíduos que partilham das mesmas ideias e ideais. Eu mesmo já frequentei algumas denominações religiosas e hoje estou a frente de um trabalho. O objetivo deste artigo é chamar a atenção para a nossa função primordial enquanto cristãos.

Depois que Jesus completou a sua missão, nesta terra, entregando a sua vida e ressuscitando ao terceiro dia, antes de partir ele nos deixou uma tarefa para ser executada por todos os seus seguidores que foi registrada no Evangelho de Jesus escrito por Mateus:
E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado. E estes sinais seguirão aos que crerem: Em meu nome expulsarão os demônios; falarão novas línguas; Pegarão nas serpentes; e, se beberem alguma coisa mortífera, não lhes fará dano algum; e porão as mãos sobre os enfermos, e os curarão. Marcos 16:15-18.
Não há como não entender este texto. Ele é explícito. A ordem é ir por todo o mundo, pregando a toda criatura. Isto não se faz dentro de um prédio, pois nem todos estarão dispostos a ir a igreja para ouvir a pregação é preciso sair para fora. Quando pensamos a igreja como um corpo composto por aqueles que seguem Jesus temos que entender que esta possui um legado social. O Evangelho precisa ser anunciado e para isso temos que estar dispostos a ir. Não é uma escolha e sim de obediência a uma ordem dada pelo próprio Jesus. Quando vejo as igrejas organizando encontros de crentes, festas pra crentes, congressos para crentes, entendo que estes encontros são importantes para transmissão de conhecimento mas não tem nenhum sentido se após o encontro não utilizarmos o conteúdo adquirido para cumprir o ordem de pregar o Evangelho.

Outra coisa que me chama a atenção é o texto "Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado." Note que a função do anunciante não é converter pessoas para levá-las a igreja e sim apenas anunciar o Evangelho. No que diz respeito a conversão, é uma decisão pessoal daquele a quem a mensagem foi anunciada.

Em seguida temos algo muito interessante: "E estes sinais seguirão aos que crerem" ou "Estes sinais acompanharão os que crerem" (NVI) ou "Estes milagres acompanharão os que crerem" (Católica) ou "Estes sinais hão de acompanhar àqueles que creem" (Soc. Bibl. Britânica). Este texto vem logo após do "quem crer e for batizado". Posso estar enganado mas para mim o texto está dizendo que aquele a quem for anunciado o Evangelho e ele der crédito os sinais já se manifestarão ao novo crente, assim como já deveriam estar se manifestando em nós desde que demos crédito a pregação.

Não vou entrar nos sinais e nos desdobramentos que eles sugerem por tratar-se de um assunto vasto e longo que irei tratar numa próxima oportunidade. O que quero com este texto é deixar evidente que a missão do crente não se restringe a pertencer a uma denominação e participar das atividades desta, mas vai muito além disso. Temos uma função social motivada pelo amor ao próximo que é a de anunciar as boas novas do reino. Não podemos em hipótese alguma, esquecer disso. Precisamos nos conscientizar desta missão e ter a convicção de utilizar todos os meios a nossa disposição para realiza-la de forma plena. Espero, sinceramente, em Cristo, que este artigo te ajude a tomar uma posição assim como está me ajudando. Grande abraço.

quinta-feira, 20 de abril de 2017

Qual a sua trilha sonora?

Já que a vida é como um filme, nada mais justo do que uma trilha sonora adequada...
Pink Floyd
Desde que eu me entendo por gente, a música faz parte da minha vida. No começo, não era algo assim tão importante mas quando eu tinha oito para nove anos algo aconteceu. Nós morávamos em Curitiba, bem no centro, na rua Senador Alencar Guimarães. A casa da frente era alugada para um restaurante e nos fundos desta havia um quitinete que era alugado para um hippie. As vezes eu ia lá, para ouvir música e numa dessas vezes eu fui apresentado ao Pink Floyd. Foi amor a primeira audição. Me apaixonei por aquela música cativante, misteriosa e envolvente. Também, não era para menos, afinal The Dark Side Of The Moon é um petardo que impressiona até hoje. O Peninha (o hippie que morava no quitinete) gravou uma fitas para mim que eu ouvia em um gravador mono, que meu pai havia me presenteado.

Led Zeppelin
Quando mudamos para o Rio de Janeiro em 1973, a música continuou sendo uma espécie de trilha sonora da minha vida. Em casa, as tardes eram preenchidas com óperas e operetas que meu padrinho adorava. Eram seis discos por vez numa radiola Philips. Logo ganhei meu próprio toca discos. E começaram a vir os discos. O primeiro álbum que eu comprei foi o Machine Head, do Deep Purple, até que em 74 conheci o Led Zeppelin. Mais uma vez fui impactado e virei fan de carteirinha. Comprei todos os álbuns, aguardava os lançamentos, tinha discos piratas, posters, livros e tudo o que saísse sobre a banda. Na esteira do Led curti muita coisa: Huriah Heep, Deep Purple, Queen, Ted Nugent, Slade e muito mais. Até que ouvi o Emerson, Lake And Palmer e mergulhei no Progressivo com Yes, Triumvirat, PFM, Camel, Renaissance, Jethro Tull, Alan Parson, Supertramp, etc. Certa vez, uma amiga me deu o Álbum Branco do Beatles e finalmente entendi a importância dos quatro garotos de Liverpool. O Abbey Road ainda é, para mim, um daqueles álbuns perfeitos do início ao fim.

Oswaldo Montenegro
Paralelamente a este mundo de baixos guitarras e baterias, conheci, através dos meninos que moravam no mesmo prédio, o chorinho. Como não se derreter ao som do bandolim do Jacob do Bandolim, do cavaquinho do Valdir Azevedo e da flauta do Altamiro Carrilho, isso sem falar nos arranjos do mestre Radamés Gnatalli. Na esteira do chorinho veio uma tal de MPB com os versos magistrais de Chico Buarque, a voz encantadora de Elis Regina, as construções inquietantes de um Zé Ramalho e as baladas de um menestrel chamado Oswaldo Montenegro. É claro que o rock tupiniquim também fez parte desta lida com as Mutações dos irmãos Dias (Mutantes), os trejeitos dos Secos & Molhados, o fruto proibido da Rita Lee que na Casa das Máquinas, rezava um Terço bem Made In Brazil.

Cólera
Mas chegaram os anos oitenta e descobri uma nova força, mais energética, rude e direta. Entrei de cabeça no Punk Rock. Ao som dos Pistols, Clash, Ramones, Toy Dolls, Discharge, GBH, ExploitedDead Kennedys e MDC. Pirei de vez e vi que não estávamos perdidos pois por aqui também tínhamos nossos representantes como: Psikoze, Ratos de Porão, Cólera e Olho Seco. O Impacto do Punk Rock foi tão forte que montamos as bandas Maus Elementos e Paz Armada, em Curitiba, e ainda toquei com o Resistência Nacional e com O Corte.

Antidemon
Em meados da década de 90 conheci Jesus Cristo e minha vida deu uma guinada de 180°. Descobri que cristãos fazem música de alta qualidade e começou tudo de novo. Me encantei com o rock do Tourniquet, Narnia, Bride e Mortification. Me maravilhei com o progressivo do Iona, Ajalon, Unitopia e Neal Morse Band, com a brasilidade do Fruto Sagrado, Katsbarnea, Palavraantiga, Resgate, Antidemon e Rebanhão e com o punk de Value Pac, Slick Shoes, One Bad Pigs e Grave Robber. E Mais uma vez o Punk me levou a montar bandas. Primeiro foi o CHC, depois a Holy Factor e atualmente o Experimento Holy Factor.

É claro que está faltando muita coisa bacana. Mas o espaço é pequeno e não da pra citar todas as bandas que me influenciaram nesta caminhada até aqui. Mas e você, qual é a sua trilha sonora? Comente ai para descobrirmos novos sons.

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Será que Deus quer que você se perca?

E, outra vez vos digo que é mais fácil passar um camelo pelo fundo de uma agulha do que entrar um rico no reino de Deus. Mateus 19:24
Já vou logo avisando que este artigo é para cristãos. Então, partindo do pressuposto de que você é um cristão, eu quero te fazer uma pergunta. Você crê na Bíblia? Crê que as Sagradas Escrituras contém a Palavra de Deus revelada para os seres humanos com o propósito de nos instruir e fortalecer para alcançarmos uma plena comunhão com o nosso Criador? Então você crê que o que está escrito em Mt 19:24, é a mais pura verdade. Ora, se você crê nisto, porque continua nesta busca tresloucada por riquezas materiais? Também não adianta querer minimizar o texto com explicações absurdas de que o camelo era uma especie de corda e que buraco da agulha era uma espécie de portinhola nos muros de Jerusalém. Não existe respaldo bíblico e nem histórico para tais afirmações. Cristo utiliza-se deste adágio popular para comunicar uma impossibilidade. O apego aos bens materiais nos afasta de Deus pois exige total dedicação tando para sua obtenção como para a manutenção das riquezas adquiridas tornando praticamente impossível para o abastado dedicar-se a servir a Deus. Em Mateus 6:24 Jesus outra vez nos adverte que não podemos servir a Deus e ao Dinheiro. Ou você serve a Deus ou vai ganhar dinheiro.

Não estou dizendo que você não deve trabalhar para ter o seu sustento. Claro que precisamos trabalhar. Também não estou afirmando que você não pode ter muito dinheiro. Não é isso. No texto apresentado temos um jovem muito rico que quer seguir a Jesus. Trata-se de um jovem que segue os preceitos da religião, cumpre os mandamentos, etc. Mas Jesus faz uma espécie de teste dizendo que, para ele ser perfeito, deveria vender todos os seus bens, distribuir aos pobres e então segui-lo. O jovem fica triste e vai embora, demonstrando que não tinha a intensão de se desfazer de suas riquezas. Jesus nos chama atenção para o problema do apego as coisas materiais. No sequência do texto os discípulos ficam admirados e chegam a conclusão de que ninguém pode se salvar. Jesus confirma esta verdade mas também afirma que Deus tem poder para reverter esta situação.

Em relação as muitas posses chegamos a um ponto mais ou menos assim: Existe uma remota possibilidade de alguém ser muito rico e mesmo assim se entregar a Deus. Mas a questão é que: quando você se entrega a Deus de todo o coração e entendimento, você passa a entender e enxergar o evangelho da maneira como Cristo enxerga. Isto faz com que você se desapegue das coisas materiais e não tenha mais necessidade de ser rico. Resumindo, você entra num ciclo sem fim onde: o convertido não se importa mais com acúmulo de riquezas e se ele continua preocupado com isso é poque não se converteu e precisa de conversão para desapegar. Isto nos leva a compreender que, quando Jesus diz que é praticamente impossível para um rico entrar no Reino de Deus Ele está dizendo exatamente isso. Pois é humanamente impossível passar um camelo pelo buraco de uma agulha, exceto para Deus, pois para Ele não existe impossível.

Agora vamos tentar responder a pergunta do título desta postagem. A resposta é não! Deus não quer que ninguém se perca mas Satanás quer que todos se percam e por isso nos oferece riquezas, fama e glória. Antes que você me excomungue, vamos olhar o texto bíblico. O diabo o levou a um lugar alto e mostrou-lhe num relance todos os reinos do mundo. E lhe disse: "Eu lhe darei toda a autoridade sobre eles e todo o seu esplendor, porque me foram dados e posso dá-los a quem eu quiser. Então, se você me adorar, tudo será seu". Jesus respondeu: "Está escrito: ‘Adore o Senhor, o seu Deus e só a ele preste culto’ (Lucas 4:5-8). Este texto mostra que quem oferece coisas materiais em troca de adoração é o próprio diabo. Também não estou afirmando que Deus não prospera materialmente as pessoas. Deus tem poder para isso e é soberano para fazer ou não. Só que Deus não prospera seus servos para ser adorado, ou seja. Deus não compra a sua adoração. Deus prospera quem Ele quer pelas razões que Ele mesmo determina. Não é por mérito, pois se dependesse disso, ninguém receberia nada de Deus.

Espero que este artigo lhe ajude a desenvolver uma vida cristã voltada exclusivamente para Deus, independente de seu status financeiro e material. Uma vida onde nossa maior riqueza seja a certeza de qque somos filhos de Deus, Grande abraço.

terça-feira, 11 de abril de 2017

Transformando Vidas e Viabilizando Histórias

O serviço social é a espinha dorsal da igreja e quando é departamentalizado transforma esta em um organismo deficiente!
Um dos grandes equívocos que costumamos observar nas instituições religiosas de vertente cristã é a departamentalização de atividades que deveriam ser lugar comum na vida de todos os membros da organização religiosa. Uma dessas atividades é a assistência social, uma prática que deveria estar impregnada em nosso DNA evangélico mas que, na maioria das vezes, é relegada a um departamento encarregado de distribuir cestas básicas ou emprestar a caminhonete da congregação para fazer alguma mudança para um irmão menos abastado. Mas a pergunta é: é isso que a Bíblia nos ensina? Então vamos a ela.

Tiago, diz, que a verdadeira religião, que agrada a Deus, é ajudar os órfãos e viúvas em suas necessidades. Jesus, disse que se, deixarmos de alimentar os famintos, vestir os nus e não visitarmos os encarcerados é como se deixássemos de servir a Ele. Em Atos, lemos que os discípulos prosseguiam no repartir o pão. Temos muitos outros exemplos que não cabem neste pequeno texto, mas que deixam claro que a assistência social é a verdadeira demonstração visível de que somos realmente cristãos. É a materialização do amor ao próximo. Não existe Evangelho sem esta característica. Mas este assistir a sociedade que nos cerca vai muito além de uma cesta básica.

Uma vez que somos sal e luz, de acordo com as sagradas escrituras, temos por objetivo, dar um sabor agradável a vida dos outros, devolvendo a estes outros, independente de serem cristãos ou não, o gosto pela vida, pela família, pelo trabalho e pelo simples fato de serem humanos, irmãos na carne e imagem e semelhança do Deus que afirmamos servir. Como luz, devemos iluminar suas vidas para que enxerguem nitidamente os caminhos por ande andam e possam tomar as decisões acertadas que contemplem os outros dos outros, transformando-se em novas luzes e novos sais neste mundo tão escuro e tão amargo. Isto é ser cristão!

Não basta dar um prato de comida. É necessário convidar o outro a sentar-se a mesa para já não ser outro e sim, um de nós. Não basta uma oferta polpuda, antes, devemos reintegrar os outros ao convívio social para que sejam nós. Propagar o Reino é oferecer a possibilidade de que os outros também façam parte deste Reino. Nossa missão, neste reino, não é desfilar em carruagens ou exibir nossas vestes reluzentes em uma baile de gala, mas entrar, dia após dia, no submundo cuja as portas não podem nos impedir e tirar de lá, um a um, os prisioneiros. É possível, é necessário, é a única maneira de sermos quem dizemos ser!

***

Existe  um Reino Encantado, tão distante e tão perto, que foi inaugurado há dois mil anos por um Rei que havia sido morto mas reviveu. Seus súditos o viram vivo e depois Ele subiu para o seu trono e os súditos receberam a incumbência de transformar outros mortais em súditos também. O Rei lhes deu uma chave mágica que está num livro que carrega grande poder. Com esta chave eles podem entrar nos mundos inferiores, quebrar as correntes, curar as feridas e resgatar os prisioneiros. Os prisioneiros que aceitarem fazer parte do Reino recitam um encantamento que os livra e os transforma em súditos também. Juntos, eles comem, se divertem, cantam e dançam e trazem mais gente triste para virar gente alegre. Fazem isso todos os dias, enquanto aguardam a volta do Rei que virá buscá-los. Então serão felizes para sempre. Amém!


sábado, 8 de abril de 2017

Comece a Mudar o Amanhã!

Se você não começar hoje, amanhã será igual a ontem!
A banda Cólera, foi e continua sendo uma das mais importantes no cenário nacional. Liderada pelo iluminado Redson Pozzi (* 15/07/1962 - + 27/09/2011), que foi um cara escolhido por Deus para espalhar consciência. Um dos seus trabalhos foi o álbum Tente Mudar o Amanhã (Ataque Frontal - 1985). Se existe uma coisa que o Redson fez nesta vida foi tentar. Ao longo dos seus 49 anos de existência ele tentou. Não sei se você sabe mas eu sou cristão, sou um seguidor do Jesus de Nazaré. A minha visão do Redson é mais ou menos assim; Ele foi mais cristão do que a maioria dos que afirmam ser. Porque ele simplesmente fazia e cristianismo é atitude. Mas esta postagem não é sobre o Cólera e nem sobre o Redson. Este artigo é sobre você e eu e o que podemos fazer para mudar o amanhã!

A primeira coisa que precisamos definir é o foco da mudança. Se tudo o que queremos, é mudar o nosso amanhã pessoal para atingir as nossas metas individuais então não queremos mudança. Tudo o que desejamos é conforto e não somos menos egoístas do que os corruptos que estão no poder e é bem provável que fizéssemos o mesmo, se tivéssemos a chance. O ser humano é um ser social, e sendo assim, só existe crescimento verdadeiro quando todo o grupo pode usufruir das conquistas. Não estou promovendo uma luta de classes e não sou socialista e nem comunista. Para existir mudança de fato é preciso mudar o foco da mudança. Quando promovemos mudanças nos que estão a nossa volta, as respostas são mais rápidas e mais evidentes. Partindo disso entendemos que só haverá uma mudança real a partir do momento em que o nosso foco passe a ser o crescimento e o bem estar dos outros.

Em segundo lugar, precisamos estabelecer por onde começar. Este é um ponto interessante, pois somente iremos produzir efeito nos que estão no nosso entorno quando efetuarmos transformações em nós mesmos, pois isso vai impactar as pessoas. Somente sendo diferentes da massa sistêmica é que faremos a diferença em nosso meio. Mas não é para receber de volta o bem que fazemos. É ai que está o segredo. Se você faz pensando em receber isto não é promover transformações mas executar um serviço e receber o pagamento. Promover mudanças é trabalho e dá trabalho. É uma escolha. Dar uma carona, ajudar alguém a carregar suas compras, pagar uma passagem, dizer bom dia, empurrar um carro, e por aí vai. São pequenas atitudes que promovem grandes transformações e nos dão a oportunidade de interagir com as pessoas, afinal somos seres relacionais e necessitamos de estabelecer relacionamentos para seguirmos em frente.

Imagine aquele seu vizinho, mal humorado, e que não vai com a sua cara. Um dia você está voltando do trabalho e você o vê, cheio de sacolas em uma tarde chuvosa. Ai você para o carro, desce, oferece uma carona e o ajuda com as compras. No trajeto surge uma rápida conversa a respeito do clima e da economia. Você o deixa em casa e segue seu caminho. Pronto. Agora ele já tem uma visão diferente de você e com o tempo ele começará a ver outras pessoas que ele não gostava, de uma forma diferente. Você promoveu uma mudança para melhor na vida dele e consequentemente, na sua também.

Em terceiro lugar, precisamos decidir quando começar. Comece já! Se você deixar para amanhã, amanhã estará igual a hoje, mas se você começar agora, amanhã será um dia diferente. Isso é viver em novidade de vida. Devemos viver agora como se não houvesse o daqui a pouco. Viver o já como se não houvesse o depois e o hoje como se não houvesse o amanhã. Boa sorte! Nos vemos amanhã em um mundo diferente de hoje!

Aproveite para ouvir o álbum: Tente Mudar o Amanhã, logo abaixo...


quarta-feira, 5 de abril de 2017

Modos & Estilos #017 - Mutantes - Tudo Foi Feito Pelo Sol

Quando nos deparamos com uma banda nacional que chega neste nível, bate até um certo orgulho de ser brasileiro.
Rui, Pedro, Túlio e Sérgio
Que a banda brasileira, Os Mutantes, é uma referência, ninguém duvida. Muito se fala da obra deste grupo que teve até a nossa rainha do rock, Rita Lee, na formação inicial da trupe liderada pelos irmãos, Arnaldo e Sérgio Batista. Mas os anos 70 não foram só flores. O consumo de drogas e as constantes brigas internas acabaram por deixar Sergio Dias sozinho após o lançamento do álbum Mutantes e Seus Cometas no País dos Baurets, em 1972. No entanto o virtuoso guitarman não podia parar sua febre criativa e recrutou um novo time de feras para o próximo trabalho.

Sérgio montou uma nova banda que contava com: Antônio Pedro no baixo, Rui Motta na bateria e o fantástico Túlio Mourão nos teclados e completada Serginho nas guitarras. Com este quarteto de peso trocam a gravadora Polydor pela Som Livre e registram o sexto álbum da banda: Tudo Foi Feito Pelo Sol.

Capa - Não há créditos sobre a capa
Este álbum, na minha opinião, não é apenas o melhor disco dos Mutantes, mas um dos melhores discos de rock progressivo de todos os tempos. É claro que existem influências do Yes, mas quem não foi foi influenciado pelo Yes? O álbum tem uma linguagem própria e uma performance impecável. Tudo é perfeito neste disco lançado em 1974 com 7 faixas, uma capa linda, encarte e tudo o que se tem direito. Lembro-me quando adquiri a obra prima e fui capturado logo nos primeiros movimentos.

Recentemente o álbum foi relançado em CD com três faixas bônus do compacto Cavaleiros Negros, que enriqueceram ainda mais o material. Vale lembrar que este álbum tornou-se um item de colecionador disputadíssimo, principalmente fora do Brasil. Neste artigo vou analisar o original para relembrar o impacto que ele causou.

As Faixas


Deixe Entrar Um Pouco D'água No Quintal - A música abre com um excelente trabalho de baixo e bateria logo enriquecido pelo teclado e a guitarra frenética de Sergio. Os Vocais estão perfeitos, as quebras de ritmo e temas ao longo da faixa criam uma massa sonora de deixar tonto. É muita informação para uma única audição.

Pitágoras - Linda! Não consigo encontrar outro termo para definir esta peça musical. Simplesmente linda. Como é bom ouvir o trabalho de pessoas talentosas. A introdução de piano e guitarra é uma delícia que vai sendo temperada pela precursão e um baixo que continua o riff inicial enquanto o teclado viaja para outra dimensão. Além disso há uma brasilidade intrínseca que, só escutando para entender.

Desanuviar - Com um clima etéreo vamos a terceira faixa que nos leva a uma outra dimensão. Uma música filosófica. Soa leve como uma nuvem e aos poucos vai assumindo uma mudança de clima como num dia nublado passando para uma viagem a lá pink floyd que é extirpada repentinamente terminando em um clima meio caótico e reflexivo.

Eu Só Penso Em Te Ajudar - Balada rock com todos os elementos mas que mostra como os caras sabem o que estão fazendo, afinal rock em português é algo complicado, mas não para os mutantes. Nossa língua é percussiva mas Sérgio Dias consegue soar britânico cantando na linguagem do Lácio.

Cidadão da Terra - Mas um tema bem trabalhado com os elementos que marcam o progressivo britânico e que mostram que a banda, mais que um grupo nacional, é uma trupe do mundo. Uma aula de composição que soa simples e sofisticada ao mesmo tempo. O baixo se destaca bastante na faixa e a bateria está impecável.

O Contrário de Nada é Nada - Rock'n Roll. Bem no estilo do rock nacional da época. Soa até um pouco estranha no contexto do álbum, mas funciona bem. E serve como uma pausa depois de tanta informação. A própria letra da a entender que ela é um refresco para a próxima faixa.

Tudo Foi Feito Pelo Sol - Chegamos ao final da obra. Uma canção altamente contemplativa. Fecha o álbum em grande estilo. Mais uma vez o quarteto se supera. Vocais, teclados, guitarras, baixo e bateria estão impecáveis. Destaque para a belíssima linha de contra-baixo que dá o tom. Enfim, escute!

Resumo


Tudo Foi Feito Pelo Sol é um disco épico que não pode ficar fora de nenhuma discoteca de respeito. É uma obra para ser ouvida várias vezes, pois a cada audição, novas texturas vão se revelando e o ouvinte pode compreender porque esta banda é tão respeitada dentro e fora do país, aliás, mais fora do que dentro. Minha esperança é que este artigo incentive as novas gerações a ouvir este trabalho e entender porque somos tão saudosos e porque os anos setenta são tão importantes para a música do planeta.

Segue o link para audição: Tudo Foi Feito Pelo Sol

quarta-feira, 29 de março de 2017

O Mundo Ocidental Se Esqueceu de Onde Veio!

Formado e fundamentado no cristianismo, o ocidente está enterrando sua história e colocando em risco sua sobrevivência!
Estou lendo "Uma Breve História do Cristianismo" de Geoffrey Blainey. Estou na metade do livro entrando na Reforma Protestante, mas desde já recomendo a leitura do livro. Evidentemente não se trata de um tratado sobre uma história tão rica como a da construção da religião cristã no mundo que certamente não caberiam em suas 328 páginas. Mas traz um panorama da evolução da Igreja, suas divisões e ramificações e alguns de seus personagens principais, ao longo das eras. O livro foi escrito em uma linguagem bastante acessível e é bastante útil, principalmente para quem está se iniciando no assunto. Blainey é um escritor, professor e historiador australiano que ficou famoso pelos livros: Uma Breve História do Mundo e Uma Breve História do Século XX. Mas vamos ao que interessa.

Se olharmos a história, devidamente documentada ao longo das épocas, percebemos que a civilização ocidental foi, toda ela, constituída pelo pensamento cristão. Foram as instituições religiosas que fomentaram a arte, a música, a pesquisa científica, o saber humano. Graças ao incansável trabalho de muitos cristãos, boa parte do conhecimento produzido pelo homem foi preservado em intermináveis bibliotecas com seus enormes volumes copiados a mão pelas mãos de padres dedicados. Foi a igreja que implementou hospitais, escolas e universidades. Dedicando-se a Teologia, artes, filosofia e medicina. Patrocinou músicos, pintores, escultores, desenvolveu a arquitetura e a engenharia. Foi graças ao cristianismo e principalmente a reforma protestante que a indústria gráfica pode se desenvolver.

Também foi a igreja que nos deu o sentido de serviço social e outros grandes avanços da humanidade, assim como foram muitos cristãos, reformados que ajudaram a conceber o conceito de laicidade para permitir que todos os pensamentos, mesmo contrários, pudessem ser ouvidos. Mas atualmente vemos a civilização ocidental se esforçando para banir a igreja e o cristianismo da face da terra. A criatura se rebelando contra o criador. Ora. Se a base da sociedade ocidental é o cristianismo, ao enfraquecer esta base cria-se um problema estrutural que torna instável todo o edifício, pois é a base que mantém a construção firme. Se comprometemos a base tudo o que está firmado neste alicerce pode cair. E o que estamos assistindo.

Exatamente isso! A decadência do ocidente. Estamos assistindo a norte lenta e gradual do mundo ocidental. Como um organismo sem imunidade, a cada dia novas doenças sociais vão surgindo e se alastrando pelo corpo criando uma inevitável falência dos órgãos que o mantém vivo. É triste mas é real e inevitável. E você? O que pensa a respeito deste assunto? De sua opinião, ela é importante!

Se tiver interesse no livro citado, segue o link:
http://www.saraiva.com.br/uma-breve-historia-do-cristianismo-4053181.html

domingo, 26 de março de 2017

Sem Memória, Não Há História

Quando destruímos um passado de glórias, talvez estejamos apontando para um futuro de incertezas.
Foto 1 - Antigo Templo
Esta semana fui surpreendido pela notícia da demolição do antigo templo sede da Igreja Evangélica Assembleia de Deus da cidade de Ponta Grossa, PR. Trata-se de um prédio simples de linhas sóbrias (foto 1) que ficava na Rua do Rosário, no centro, e que por muitos anos assistiu a conversões, batismos, curas, casamentos e toda sorte de acontecimentos da comunidade assembleiana residente na Princesa dos Campos Gerais do Paraná. A decisão de por abaixo o prédio, partiu da cúpula da igreja e dividiu opiniões. Os contrários lamentando não apenas a perda material, mas principalmente a sentimental visto que muitas pessoas nasceram, cresceram, casaram e apresentaram seus filhos ali. Também há os que lamentaram por ser uma edificação que faz parte da história da denominação e do município. Já os favoráveis se valem de citações de textos bíblicos e da soberana decisão da presidência da igreja e de que o novo Templo sede (foto 2) é maior , mais bonito, e mais moderno.

Foto 2 - Novo Templo
Que o novo edifício é maior e mais moderno não há dúvida, quanto a ser mais bonito depende do gosto de cada um. Muitos alegam que o antigo prédio tinha falhas estruturais que colocavam em risco a integridade física de seus ocupantes. Sabemos que hoje existem técnicas que podem ser utilizadas para recuperar falhas. Poderiam reconstruir um interior moderno e otimizado e manter a fachada original. Não sei o que será feito no lugar, mas o fato é que pouco a pouco a história vai sendo apagada deixando saudades, lembranças que aos poucos serão esquecidas. Parece ser uma característica da denominação, pois existem mais casos como este envolvendo antigas edificações da Assembleia de Deus, como é o caso da AD de Criciúma que não respeitou sequer a população que pediu o tombamento do antigo templo conhecido como Igreja do Relógio. Mas nem tudo está perdido.

Foto 3 - Igr. Luterana de Dois Irmãos
Este é o caso da Igreja Luterana de Dois Irmãos que teve seu primeiro templo, totalmente restaurado e preservado (foto 3) ou ainda a igreja Luterana de Brusque (foto 4) que mantém viva a sua memória no belíssimo templo devidamente preservado. E outras por aí a fora que tem esta consciência. Curiosamente, as igrejas históricas são mais preservacionistas que as pentecostais. Não sei se existe uma razão para isso mas me parece que o movimento pentecostal não dá muito valor aos seus templos. Tudo bem que é só tijolo, areia e pedra, mas por trás do aparato solido existe um legado histórico e comunitário que precisa e deve ser levado em consideração sempre que surgir este tipo de decisão ser tomada. Mas atrelado a este episódio posso perceber outras mensagens nas entrelinhas. E que mensagens são estas.

Foto 4 - Igr. Luterana de Brusque
De um lado vemos pessoas simples, lamentando o fota e saudosos dos tempos em que a comunidade era menor e mais unida, onde todos se conheciam pelos nomes e o calor humano aquecia a frieza do mundo exterior. Do outro vemos instituições a cada dia mais distantes de seus membros onde a preocupação é com a eficácia, a administração e a relação custo-benefício. Já não existe mais o líder que visita seus liderados. A vida em comunidade onde cada um atenta para a necessidade do outro vai sendo departamentalizada e os avisos são dados pelo telão e pelas redes sociais. Muitos doutores e senhores de si e poucos amigos e irmãos de fé.

Uma pena que seja assim. Já não verei mais o lugar onde me decidi por Cristo e onde desci as águas. Sinceramente, espero não voltar lá, outra vez, e não ter que passar e olhar para algo que não veria estar ali.

quarta-feira, 22 de março de 2017

Se dói é porque faz parte do corpo

As vezes uma cadeira de dentista pode ser inspiradora!
Estava fazendo uns tratamentos odontológicos, outro dia, e durante o processo, minha dentista, perguntou se um determinado dente, que seria extraído, ainda doía, para verificar se havia necessidade de mais anestésico. Ao responder que sim, ela falou algo que me fez pensar: "Se dói é porque ainda faz parte do corpo". Esta frase me fez pensar muito no restante do dia.

Quantas vezes, nós, os cristãos, lamentamos e reclamamos das agruras da vida? Das lutas, dificuldades, das incompreensões por parte daqueles que amamos, enfim, ser um seguidor de Cristo trás muito mais problemas, a luz do mundo, do que prazeres. Fazer parte do corpo de Cristo causa dor e desconforto. Lembro-me, no início da minha conversão, que costuma dizer: "O crente que não passa por dificuldades e lutas é porque tem algo errado em sua vida". Mas porque passamos por tantas provações e incompreensões e enfrentamos tanta resistência e até mesmo o ódio dos nossos opositores?

A resposta é simples: o Evangelho caminha na contramão do sistema. A lógica divina é completamente contrária a lógica humana. Num mundo onde todos buscam por riquezas e ostentações, o Evangelho nos leva a procurar a simplicidade e a humildade. O mundo busca o sucesso pessoal, o Evangelho nos impulsiona a transferir toda a glória para o nosso Criador. O mundo não vê problemas em tirar proveito de determinadas situações para obter certos resultados, já o Evangelho nos leva a tentar fazer as coisas sempre da forma correta. O mundo, influenciado pelo liberalismo e relativismo, enxerga tudo como normal e permissivo, o Evangelho nos leva a agradar a Deus e, com isso, evitar práticas que, sabemos que desagradam o Deus que cremos e servimos.

Enquanto estivermos ligados ao corpo de Cristo sentiremos as dores  do arrependimento por nossos atos que não compactuam com a vontade de Deus. Na verdade, isto é algo maravilhoso, pois funciona como um alerta. Se pararmos de sentir os efeitos, as dores provocadas por nossos erros e atitudes é um sinal de que estamos anestesiados, e um membro anestesiado pode ser arrancado do corpo sem sentir. Mas qual é o anestésico que está levando os cristãos a perderem a sensibilidade?

A falsa sensação de que está tudo bem! Este, talvez seja o maior engodo que tem levado muitos cristãos a baixar a guarda. A doutrina da prosperidade tem levado muitos crentes em busca de realizações aqui nesta terra. Não estou dizendo que é errado prosperar. A prosperidade financeira e material pode ser uma benção desde que não seja o objetivo principal da vida de um seguidor de Jesus. Ela é conquistada com trabalho e planejamento, embora nem todos consigam. O problema é que criou-se uma ideia de que a prosperidade material e financeira está diretamente ligada ao nível de comunhão com Deus. Passando uma falsa sensação de que está tudo bem na vida espiritual. Ora, se isso fosse verdade, pessoas ricas não sofreriam, não teriam depressão e não cometeriam suicídio.

Precisamos voltar, urgentemente, a realidade do Evangelho, que está bem exemplificada nas escrituras. Precisamos entender que as dificuldades e lutas que passamos não são um mal mas sim um sintoma de que estamos no caminho certo, pois quanto mais agradamos a Deus, mais seremos odiados pelo sistema que governa a humanidade. Precisamos entender que as dores qque sentimos tem um importante significado: Ainda estamos ligados ao corpo de Cristo.

quarta-feira, 15 de março de 2017

Uma vez Punk, Sempre Punk!

Sou mais punk hoje do que era no passado!
Quando eu mudei do Rio de Janeiro para Curitiba, em 1984, tudo o que eu sabia sobre Punk Rock era do álbum The Great Rock'n Roll Swindle, dos Sex Pistols, que um grande amigo, Ganso, havia me presenteado. Mas ao chegar na Capital Paranaense conheci, através de meu primo Edson de Vulcanis, os punks de CWB que frequentavam o Lino's Bar, uma espécie de CBGB da Cidade "Sorriso".

Aos poucos fui me enturmando com os caras e também aprendendo mais sobre o movimento, sua música e sua ideologia. Foi um grande impacto na minha cultura musical, pois até então, meu universo musical era do Hard Rock de bandas como: Led Zeppelin, Deep Purple, Uriah Heep e o complexo Rock Progressivo de virtuoses como: Emerson, Lake & Palmer, Triumvirat, Yes, Focus, PFM, etc. Escutar aquelas músicas minimalistas ao extremo, com suas mensagens diretas, sem frescurar e nem solos intermináveis me ensinou algo que até hoje carrego comigo: Conhecimento e técnica são importantes, mas vontade e convicção são mais importantes. Eu descobri que podia tocar.

Eu sempre quiz tocar, mas nunca fui um bom instrumentista, meu conhecimento na guitarra limitava-se a uns poucos acordes e nenhuma habilidade com escalas e solos. Havia feito uma música para um festival escolar que até ficou legalzinha mas nada mais que isso. Uma vez fui fazer um teste para uma banda, no Rio de Janeiro. Foi uma das experiências mais desesperadoras da minha vida! Os caras me trataram bem e foram super simpáticos mas eu fiquei decepcionado comigo mesmo por entender que eu não tocava nada. Troquei minha guitarra, na época, por um toca discos.

Mas ao ouvir álbuns como: SUB, O Começo do Fim do Mundo, Ataque Sonoro, entre outros, minha visão começou a mudar. Ai conheci o Gustavo, o Careca e o saudoso Edilson Del Grossi, eles queriam montar uma banda e precisavam de um guitarrista. Não pensei duas vezes: comprei uma passagem, fui ao Rio de Janeiro, adquiri um exemplar do jornal Balcão e achei uma guitarra a venda. Fiz a compra, voltei para Curitiba e falei com os caras que eu podia tocar guitarra na banda. Fizemos uns ensaios e montamos a banda Maus Elementos. Foi feito um registro em fita de rolo mas nunca achei esta gravação. A banda era muito ruim mas a nossa vontade de tocar era maior do que a nossa incapacidade.

Depois do fim dos Maus Elementos, montamos o Paz Armada que foi bem bacana e fazíamos um hardcore bem legal. Ainda toquei nas bandas O Corte e no Resistência Nacional, mas por questões financeiras acabei parando por um bom tempo. Mas o que restou desta época foi a certeza de que é possível fazer quando você realmente quer e tem uma razão para fazer. Também ficaram a eterna paixão por bandas como: Cólera, Lixomania, Olho Seco, GBH, Discharge, Dead Kennedys e muitas outras.

Atualmente sou cristão mas aprendi no cristianismo uma coisa muito bacana: Jesus não quer destruir culturas, mas iluminá-las. Continuo curtindo o bom e velho punk rock, continuo adepto do DIY (Do It Yourself), continuo gostando do Lo-Fi mas com uma cosmovisão cristã. Ainda ouço muitas bandas antigas e novas e muitas com conteúdo cristão. Sei que uma grande parte dos punks não aceita o cristianismo e muito menos cristãos tocando punk rock, mas também sei que este pré-conceito existe por duas razões: 1) O péssimo testemunho de vida de alguns "cristãos". 2) Por desconhecerem o Evangelho de Jesus Cristo.

O que fica é: Punk's Not Dead

Deixo aqui, dois álbuns para você curtir: Uma antiga gravação da banda Paz Armada e uma da minha banda atual... Curte aí...





quarta-feira, 8 de março de 2017

Escravas da Liberdade

No dia internacional da mulher é bom lembrar que as mulheres são seres maravilhosos pelo simples fato de serem mulheres!

Eu conheço uma pessoa, que vou preservar a identidade, que quando engravidou, tomou uma decisão: largar o emprego e dedicar-se a criação de sua prole, mesmo sabendo que isso deixaria o casal numa situação financeira mais complicada. Foi uma escolha dela e acordada pelo seu esposo. Ao compartilhar sua alegria e sua escolha com suas companheiras de trabalho ele recebeu uma chuva de críticas dizendo que ela não podia fazer isso pois estaria diminuindo a força das mulheres, etc, etc, etc. Minha pergunta é a seguinte; que tipo de liberdade é esta que te impede de tomar uma decisão e que prega que você não pode fazer desta forma?

É evidente que a luta pelos direitos das mulheres é importante. Que muitas coisas foram conquistadas ao longo da história. É uma luta não apenas importante, mas também necessária para garantir às mulheres seus direitos de ir e vir, como qualquer cidadão. Deve haver a luta, principalmente em sistemas sociais onde as mulheres são tratadas como se fosse de uma classe inferior. O problema não é a luta em si. O problema é quando direitos se tornam deveres a ponto de suprimir outros direitos, como o de fazer uma escolha diferente.

Este é o grande problema do feminismo contemporâneo, ele assume uma visão utópica de um mundo perfeito que na realidade não existe, pois o ser humano, de um modo geral é mau. Tanto para o pensamento criacionista que ve os seres humanos como seres caídos como para o pensamento evolucionista que enxerga os seres humanos como animais mais evoluídos, mais ainda assim animais.

Que neste oito de março, cada um de nós possa rever os nossos conceitos e perceber que na humanidade existem traços que nos fazem iguais mas também existem aqueles que nos tornam diferentes. Precisamos entender que: neste mundo de homens e mulheres o mais importante não é sermos iguais, mas compreender as nossas diferenças respeitando-nos mutuamente para construirmos juntos uma sociedade melhor. Então, feliz DIA INTERNACIONAL DA MULHER.

Então, para não ficar nas minhas palavras deixo aqui um pequeno trecho de uma entrevista com Camille Paglia: feminista, lésbica e ateia. Vale a pena assistir.


quarta-feira, 1 de março de 2017

Modos & Estilos #016 - Tangerine Dream - Phaedra

Até hoje não sei dizer se aquelas motos eram reais ou não!
Sempre que escuto este álbum, lembro-me de uma viagem que fizemos a Campos do Jordão. Durante a subida da serra, com o sol se pondo ao fundo em contraste com uma das curvas da rodovia surgem quatro motociclistas com suas respectivas máquinas em fila fazendo a curva em prefeito sincronismo com a música que tocava no carro. Era Phaedra, da banda alemã, Tangerine Dream. Era um outro tempo, outros amigos e outras experiências.

A Banda

O Tangerine Dream é uma banda de rock progressivo eletrônico, oriunda de Berlim, que iniciou suas atividades em 1967. O grupo foi fundado pelo tecladista Edgar Froese (1944/2015). O TD passou por inúmeras formações que sempre orbitaram em torno de Froese, bem como de várias fazes musicais, indo puro experimentalismo psicodélico, passando pela música eletrônica, o prog mais acessível e até uma produção mais comercial, sem perder a qualidade. Sua fase áurea vai de 1974 até 1982, época em que foram produzidas pérolas musicais como: Phaedra, Stratosfear, Cyclone e Force Majeure, com destaque para o álbum Phaedra, considerado pela crítica e pelo público como a obra prima da trupe.

Phaedra

Lançado em 1974, este é o quinto álbum da banda. É o primeiro lançado pelo selo Virgin e inaugura a fase mais eletrônica do grupo. Como já foi citado, é considerado, por muitos, o melhor álbum lançado pelo grupo. Foi gravado em novembro de 1973 no The Manor em Shipton-on-Cherwell, Inglaterra. Também é o primeiro trabalho a utilizar um sequenciador Moog que acabou por criar uma característica sonora, conhecida como Escola de Berlim. Entre problemas nos ajustes do sequenciador e até a quebra de um gravador o álbum contou com a participação de Monique (esposa de Froese).

Phaedra também foi responsável pelo sucesso da banda fora da Alemanha. É citado All Music Guide como: "uma das obras mais importantes, artísticas e excitantes da história da música eletrônica". Na formação deste disco estão: Edgar Froese, Peter Baumann e Christopher Franke. Foi lançado ainda um single com as músicas Mysterious Semblance at the Strand of Nightmares e Phaedra, em versões ultra reduzidas.

As Faixas

As quatro faixas deste clássico da música são de arrepiar e trazem todo um clima cósmico e meio sci-fi. O álbum começa com a faixa título que toma quase dezoito minutos da obra e é completado por três faixas menores mas não menos espetaculares, que compõe um conjunto magistralmente perfeito. Mal dá para crer que tanto foi gravado em tão pouco tempo com os recursos, hoje, tão escassos da época. Vamos as faixas.
  1. Phaedra (Peter Baumann / Christopher Franke / Edgar Froese) - É uma viagem. A peça tem um clima bem espacial com intervenções sonoras ao longo de um ritmo constante como se estivéssemos navegando por oceanos cósmicos e etéreos. É impressionante as nuances que vão criando climas diferentes ao longo da composição.
  2. Mysterious Semblance at the Strand of Nightmares (Edgar Froese) - Esta faixa inicia como uma continuação da anterior, mantendo um clima de mistério mas ao mesmo tempo de doçura como se estivéssemos numa espécie de descanso da alma.
  3. Movements of a Visionary (Peter Baumann / Christopher Franke / Edgar Froese) - Totalmente experimental, apresenta um laboratório de experiências sonoras com utilização de modulação e eco. Mais uma vez o uso de sequenciador cria um clima hipnótico intermediado por sons e silêncios que compõe uma sinfonia eletrônica.
  4. Sequent C (Peter Baumann) - Com seu clima de "Chegamos ao Fim" Sequent C nos conduz para uma atmosfera de reflexão e contemplação. Excelente.

Conclusão

Phaedra é um marco na história da banda e da música eletrônica. É impressionante como uma obra com mais de quarenta anos de idade soa tão atual e mais impactante agora do que na época. Uma aula de musicalidade e experimentalismo que coloca o Tangerine Dream ao lado do lendário Kraftwerk no panteão da música eletrônica. É um disco obrigatório para quem gosta de boa música e para quem quer conhecer este estilo. Abaixo uma opção de audição.